Romana
English
Francaise
Magyar
Spanish
Portuguese

Cluj Napoca - 2000 anos de história

Cluj-Napoca

Cluj-Napoca, um dos maiores centros económicos e culturais da Roménia, é uma cidade localizada no noroeste do país, no coração da região histórica da Transilvânia. A cidade de Cluj tem a mesma latitude que Genebra (Suíça) e Lyon (França). A cidade ocupa uma área de 179,5 km2, tem uma população de mais de 350.000 habitantes e é atravessada de leste a oeste pelo rio Somes Pequeno (Someşul Mic, uma das fontes dos Somes Rio). Cluj-Napoca possui uma longa história de quase 2000 anos. No lugar do antigo local, Dacian Napoca, foi construída no tempo dos romanos, uma cidade que se elevou ao nível de municipium pelo Imperador Adriano (cerca de 124), com o nome oficial: Municipium Aelium Hadrianum Napocense. Durante o reinado do imperador romano Marco Aurélio (164-180),  Cluj tornou-se numa colónia e foi proclamada a capital do Dacia Ocidental (Dacia Porolissensis).

Por mais de 150 anos, a bacia da Transilvânia estave sob o domínio romano.

 

Apesar de uma população etnicamente distinta, a administração

Cluj-Napoca

romana e a língua latina foram determinantes na intensa romanização e a rápida integração da Dacia no Império Romano. Devido à pressão dos povos migratórios que ameçavam a província romana de Dacia, o imperador romano Aureliano decidiu retirar o seu exército e administração em 271-275. Quase 800 anos após a retirada dos romanos, o território da antiga Dácia foi atravessado pelas populações dos visigodos, hunos, ávaros, gépidas, eslavos. Entre os séculos 10 e 14 surgiram as primeiras formações políticas e administrativas da região. Os húngaros, que se tinham estabelecido na planície da Panónia no final do século 9, ocuparam a Transilvânia entre os séculos 10 e 13.

Na Idade Média, a cidade foi designada sob o nome de "Castrum Clus"; palavra Cluj deriva do latim "CLUSA" que significa lugar fechado, estreito, cercado por colinas. Mais tarde, a cidade foi também conhecida pelo nome alemão de Klausenburg ou sob o nome húngaro de Koloszvar.  Há outras cidades europeias que têm a mesma origem etimológica - por exemplo, Clus na Suíça ou La Clusaz na França. Sob o domínio húngaro, a 19 agosto de 1316, o rei húngaro Charles Robert concedeu à cidade situada nas margens do rio Somes o privilégio de "civitas", ou seja, o estatuto de cidade. É neste período que cresce Cluj – surgem as primeiras corporações, constroem-se muradas de defesa e nasce a a primeira igreja.

Os séculos seguintes foram dominados pela ascensão do Império Otomano e toda a Península Balcânica torna-se num território sob domínio turco. Enquanto o reino húngaro desaparece, tornando-se pachalik, Transilvânia torna-se num principado independente (1541) sob a soberania otomana.

Cluj-Napoca

A partir do século 16, a cidade ganha reconhecimento cultural, em 1550 Heltai Gaspar cria o primeiro processo de impressão e em 1580 funda uma academia. Os primeiros sinais de modernidade são nos séculos 17 e 18, quando a cidade se expande fora dos seus muros, as estradas são pavimentadas, o serviço de correio é introduzido, e no final de 1827 surge a iluminação pública.

Neste período, depois de ter sido anexada várias vezes à Áustria-Hungria, a Transilvânia foi incorporada à Hungria após a criação da Áustria-Hungria (1867).

No século 19  e como em toda a Europa, na Transilvânia houve profundos movimentos nacionais (a Revolução de 1848, o movimento dos signatários do memorando de 1894). Depois da queda da monarquia dos Habsburgo após a Primeira Guerra Mundial (1918), a maioria da nação romena foi capaz de emancipar-se: no 1 de dezembro de 1918, o Conselho Nacional da Transilvânia reuniu-se em Alba Iulia para votar a união com a Roménia . Com o Pacto de Viena (1940), durante a II Guerra Mundial, a Roménia viu-se obrigada a ceder à Hungria a parte noroeste da Transilvânia, mas no final da guerra, o Tratado de Paris decidiu devolver à Roménia os territórios anexados. Depois de 45 anos de ditadura comunista, em dezembro de 1989 à custa de centenas de vidas, a Roménia escolheu a liberdade e a democracia. Em 21 de dezembro de 1989, 26 pessoas foram mortas em Cluj-Napoca, pela sua coragem de dizer NÃO ao comunismo.

Depois de uma longa e turbulenta história, o nosso povo finalmente encontrou paz. Atualmente Cluj-Napoca é uma cidades mais desenvolvidas na Roménia, um destino turístico obrigatório para quem visita a Transilvânia, bem como um ponto de partida para o turismo de outros lugares na região.

Retro Youth Hostel
Retro Youth Hostel
Retro Youth Hostel
Retro Youth Hostel
Retro Youth Hostel
Retro Youth Hostel
Retro Youth Hostel
Retro Youth Hostel